Grandes escritores brasileiros que entraram (ou quase) para a política


Debate-presidencial-sbt-2014

A julgar pelas disputas atuais, a política brasileira guarda pouquíssimas relações com a arte e, especificamente, a literatura. Mas nem sempre foi assim. Alguns grandes escritores da história do país dedicaram parte de suas vidas a cargos eletivos, tanto no Legislativo, quanto no Executivo. Ou, pelo menos, tentaram chegar lá…

Já em clima de eleição, o LLS traz um pouco da história de cinco desses autores-políticos. Para qual deles iria o seu voto?

Jose-de-Alencar

José de Alencar fez carreira na política: foi deputado e ministro pelo Partido Conservador, durante o Segundo Império

Em 1860, três anos depois de publicar O Guarani e cinco antes de Iracema, José de Alencar passou a ocupar um assento de deputado estadual pelo Ceará, sua terra natal. Em 1868, o autor galgou mais alguns andares e tornou-se o ministro da Justiça de Dom Pedro II. Um ano depois, até tentou ser senador, mas acabou sendo preterido pelo imperador, devido à pouca idade (40 anos). A década de 1870 foi mais fraca do ponto de vista político, mas compensou no campo artístico, com os lançamentos de clássicos como O tronco do ipê, Til e Senhora.

Enquanto Alencar integrava o Partido Conservador, três outros nomes de peso da literatura nacional optaram pela esquerda. Graciliano Ramos, por exemplo, foi ativo na militância do Partido Comunista Brasileiro (PCB), ao qual se filiou formalmente em 1945. O autor de Vidas Secas, São Bernardo e Memórias do cárcere chegou a ser usado como uma personalidade, a fim de atrair votos para sigla. O escritor alagoano também se candidatou a deputado federal por seu estado, mas não se esforçou para conseguir a vaga. Em vez de fazer campanha, limitou-se a enviar um manifesto a amigos, o que, obviamente, não foi suficiente para levá-lo ao Congresso.

Entre idas e vindas políticas, Drummond quase saiu candidato pelo PCB

Entre idas e vindas políticas, Drummond quase saiu candidato pelo PCB

Quem também ficou no “quase” foi Carlos Drummond de Andrade. Segundo o jornalista Marcelo Bortoloti, há registros de que o filho mais ilustre de Itabira, no interior mineiro, foi anunciado como candidato a deputado pelo mesmo Partido Comunista, em 1945. Estranhamente, dois meses depois, o seu nome não constava da lista final de postulantes, o que só reforça a confusa trajetória política do autor de A Rosa do Povo e Sentimento do mundo, a qual inclui uma chefia de gabinete em um ministério de Getúlio Vargas, o encantamento e a posterior desilusão com o PCB.

Caminho diferente, embora no mesmo partido, seguiu o baiano Jorge Amado. Também em 1945, o autor de Gabriela, Dona Flor & seus Dois Maridos e Capitães de areia tornou-se o deputado federal mais bem votado de São Paulo. Ficou apenas dois anos no Congresso, até o PCB ser declarado ilegal e os seus membros passarem a ser perseguidos e presos, forçando-o ao exílio na França. Nesse tempo, entretanto, conseguiu garantir a liberdade de culto religioso no país, inserida na Constituição de 1947 e mantida até hoje.

Se você está lamentando o fim da dobradinha entre literatura e política, acalme-se. Ou não. Afinal, ainda temos um imortal da Academia Brasileira de Letras (ABL) no nosso Legislativo. Trata-se de ninguém menos do que José Sarney. Sim, o maranhense, eleito senador pelo Amapá e integrante do Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB). Sempre envolto em acusações e polêmicas, o ex-presidente do Brasil também tem história na seara artística. Entre seus principais livros, estão O dono do mar e Os marimbondos de fogo. Para quem quiser mais sobre essa sua vertente, indicamos o site oficial do “Sarney escritor”.

sarney

Aos 84 anos, José Sarney é o decano da Academia Brasileira de Letras, para a qual foi eleito em 1980

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s