No Dia Mundial do Escritor, vivas para Manuel Bandeira!


9a617bf59a4060ccafbfb7b5cce5f66b32

Estátua de Manuel Bandeira às margens do Rio Capibaribe, no Recife. Foto: http://www.onordeste.com

Em 13 de outubro, comemora-se o Dia Mundial do Escritor. Para os fãs de poesia – especialmente, os pernambucanos -, a data ganha ainda mais relevância, por marcar a despedida de um dos grandes representantes da literatura: Manuel Bandeira.

Nascido no Recife, em 19 de abril de 1886, e morto no Rio de Janeiro, em 13 de outubro de 1968, Bandeira é um daqueles nomes incontestes quando o assunto é poesia brasileira. Entre os seus textos mais conhecidos, estão Evocação do Recife, Pneumotórax, O último poema, Porquinho-da-índia e Vou-me embora para Pasárgada. Na lista, também há um lugar especial para Poética, poema quase metalinguístico, em que Bandeira se manifesta sobre o lirismo que fundamenta sua arte (e vida). Confira na íntegra:

Poética

Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente
protocolo e manifestações de apreço ao sr. diretor.
Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário
o cunho vernáculo de um vocábulo.
Abaixo os puristas
Todas as palavras sobretudo os barbarismos universais
Todas as construções sobretudo as sintaxes de exceção
Todos os ritmos sobretudo os inumeráveis
Estou farto do lirismo namorador
Político
Raquítico
Sifilítico
De todo lirismo que capitula ao que quer que seja
fora de si mesmo
De resto não é lirismo
Será contabilidade tabela de co-senos secretário do amante
exemplar com cem modelos de cartas e as diferentes
maneiras de agradar às mulheres, etc
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare

— Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.

Para os amantes de Pasárgada, encontramos uma versão do poema de Bandeira musicada por Gilberto Gil e interpretada por Olivia Hime. É só clicar aqui embaixo!

Então é isso… Que o lirismo de Manuel Bandeira sirva de inspiração aos novos e aos velhos escritores. Se você está entre eles, parabéns!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s