Autoral: A ver(a)


Eu vi pisarem a flor
Sim, eu vi
Com estes olhos que uma terra sem flor há de comer.

.

Eu vi secarem cabeças
Sim, eu vi
Sabendo que cabeças vazias são oficinas dos homens
– dos outros homens.

.

Eu vi costurarem as bocas
Sim, eu vi
Pensando que, em boca fechada, não entram suspiros
Chocolates e línguas.

.

Eu vi amassarem o pão
Sim, eu vi
Torcendo para não ser o pão do próximo dia.

.

Eu vi taparem o sol
Sim, eu vi
Peneirando vagalumes no mato escuro.

.

Eu vi prenderem o pássaro
Sim, eu vi
E sonhei com dois voando
Um tanto melhor
– um canto maior.

.

Eu vi contarem mentiras
Sim, eu vi
E, mesmo repetidas mil vezes,
Continuei vendo
Que não eram verdades.

.

Porque o que eu vi ainda vejo
Por mais que não queira.
E o pior cego é o que não quer ver.

Tiago Cisneiros

Se você quer ter um texto publicado no nosso espaço Autoral, entre em contato conosco, pelo Facebook, pelo Twitter ou pelo e-mail livrolevesolto@gmail.com. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s