Autoral: As saias


As saias rodaram

Levantando a poeira,

Varrendo o chão

Onde pisaram os antigos

E os futuros pisarão,

Criaram vento

Ondas de branco e cor

Ritmadas em palma de mão

De coco, ciranda, afoxé, saravá

Negros e negras, na pele ou na alma

De gente que conhece o sim

Desde que aprendeu o não.

As saias rodaram

Invocando sentidos

Que não se sentem: vivem.

Sentidos

Que não se sentam:

Dançam.

Até a saia rasgar – ou além.

Tiago Cisneiros

Se você quer ter um texto publicado no nosso espaço Autoral, entre em contato conosco, pelo Facebook, pelo Twitter ou pelo e-mail livrolevesolto@gmail.com. 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s