poesia | Por Eduardo Vieira

[no começo]

era fuga

desespero

contraponto da mentira

a verdadeira face

do palhaço ensaiado

era a cura

para toda a minha loucura

um resquício de sanidade

alter ego inflado

silêncio no caos

um vômito inesperado

a ressaca desejada

uma busca por dentro

uma autoanálise

esquizofrênica

.

[no momento]

é autocrítica

é leitura social

é espelho

coração despido

pensamentos coletivos

desejos escancarados

são cartas de amor

entre sonho e realidade

o limbo

é sábado de Zé Pereira

.

[na verdade]

são apenas palavras soltas.

Eduardo Vieira tem 25 anos, é recifense e assina uma coluna semanal no Livro Leve Solto, publicando textos às quintas-feiras.

* Na última quinta-feira de cada mês, Eduardo Vieira vinha apresentando um texto de um autor pernambucano pouco conhecido do grande público. Desta vez, ele recebeu o pedido de mandar um poema seu. É o início da despedida do Livro Leve Solto, após mais de 2 anos no ar. Em breve, um post detalhará os motivos que levam o blog a “fechar as portas” no fim de junho.

Anúncios

a culpa é do abismo gnoseológico | Por Luiz Henrique Ramos

sabe?

é, talvez não saiba.

o que eu te disse

disse pela metade

e mesmo que não o fizesse,

que o dissesse por inteiro,

você não entenderia por completo

.

eu quis dizer

você até quis me escutar

mas as poucas palavras soltas

ficavam presas de um lado do abismo

até chegavam ao teu ouvido

mas continuavam do lado de lá

.

o problema não é você

o problema… (tampouco) sou eu

é culpa do abismo gnoseológico

é ele que não me deixa

deixar tudo claro

.

eu sinto

mas sinto que não consigo

expressar precisamente tudo em palavras

e as poucas palavras que digo

são um abismo distante

do que queria dizer

.

e, daquele pouco que eu disse,

menos você vai entender.

mas o problema não sou eu

o problema… (tampouco) é você

a culpa é do abismo, essa desgraça

que eu tentei contornar

sem sucesso, esbarrei nas palavras

e, tropeçando, caí

.

e aí, as palavras pela metade

são só, na verdade, metade

da metade de uma verdade inteira

que, de tantos abismos,

virou metade mentira

que, mesmo metade, é mentira completa.

.

mas o problema não somos nós

o problema é o abismo

que nunca nos deixou

sermos nós

só eu e você.

Luiz Henrique Ramos tem 21 anos, é recifense e assina uma coluna quinzenal no Livro Leve Solto, aos sábados.